sexta-feira, 20 de maio de 2011

Sótão



Saberia
Sozinho na penumbra do sótão
Confessar meu amor

Descubro aos poucos
e de modo brando
Que em todos momentos
em vários anos que te lembrei

Vinhas como esses raios
de sol que entram sorrateiros
pela frestas do telhado

O sorriso como os raios
iluminavam lembranças
alegravam instantes

Porque voce sempre foi alegria
Algo afetuoso como esse ar do sótão
cercado de cheiro de madeira

Aveludada pela poeira
a flutuar pelos raios de sol
Assim sempre foi alegre

Descubro agora que é ainda mais especial
É tranquila como entardecer de um dia quente
de uma tarde de outono.

(FlavCast 20.05.2011)

2 comentários:

Dete disse...

Gostei muito das poesias e das fotos. Parabens!

FlavCast disse...

Que bom que gostou Dete! Seja bem vinda! Obrigado pelo comentário!