domingo, 27 de março de 2011

Sonho de Valsa


Balas de goma
Em letras de forma
Delicados jogados
Em chão de paçoca

Deliciosas palavras
Desejadas pelos olhos
Gulosos por doces
Sentimentos melados

O poema comestível
Seria o bolo gigante
Do conto de fadas
E nós Joãos e Marias

A devorar em suspiros
Paixões magentas
Amores em caldas quentes
A derreter os frios sorvetes

Engolir muita harmonia
Empanturrar da doçura
Das loucas frases de amor
Descobertos suspiros coloridos

Lambuzar o rosto dos gostos
Dos amores que já degustamos
Saciar de sílabas as alegrias
Rodopiar enfim em um sonho...

de valsa.

(FlavCast – 28.03.2011)

5 comentários:

Anônimo disse...

Adorei. :)

Barefoot cinderella disse...

Nunca é demais se empanturrar de doçuras; seu poema é uma orgia de "candice" e paixão...Adorei.

Leila

FlavCast disse...

Obrigado pelos comentários sempre bem vindos e necessários! :)

Verluci Almeida disse...

Flávio...
belíssimo seu SONHO DE VALSA!

Adorei! :)

theresa brahm disse...

Perfetamente doce!